terça-feira, 11 de novembro de 2008

Perfume Review: Pi, Givenchy

Existem algumas experiências olfativas tardias. Seja porque, após um súbito desejo de conhecer o aroma, ele nos é apresentado por livre e espontânea vontade, seja porque ele nos chega por um acidente de percurso, algo totalmente inesperado. No caso de Pi de Givenchy, criado por Alberto Morillas em 1999, a fragrância chegou por acidente e, o aroma, chegou em uma situação muito engraçada.

Ganhei uma amostra através de uma compra no Ebay e, após meses de puro descaso com este perfume, decidi catalogá-lo junto com outras amostras. Por curiosidade e desejo de revisar uma fragrância masculina, abri o frasco e senti um aroma doce e estranho pois não era exatamente o cheiro de baunilha de que tanto falam, mas segui confiante na minha experiência.

A princípio, parecia ser uma fragrância interessante para o meu nariz compulsivo por aromas igualmente doces, mas após cinco minutos, fui castigada por uma dor de cabeça, uma nota de benjoim que, embora aparentemente atrativa, dava marteladas na minha cabeça como um cheiro "autoritário" que ressoava repetidamente na fragrância, sem nenhuma chance de deixar meu nariz e minha cabeça em paz. A nota de tangerina passou rapidamente, deixando somente o irresistível desejo de sentí-la mais.Desisti e tomei um Tylenol, um pouco entristecida com esta primeira experiência tratando-se de um perfume de Morillas e, principalmente, porque é difícil encontrar um perfume capaz de deixar-me com dor de cabeça.


Talvez esteja se perguntando: Mas o que foi engraçado, Cris? Antes de começar a contar-lhes deixa eu rir mais um pouco do meu próprio destino. O meu destino era revisar sobre Pi, porque após dois dias longe da amostra, encarei-a de frente e abri o frasco de novo. Era uma questão de encarar a própria possibilidade de sentir dor de cabeça de novo pois, afinal, os aromas não precisam ser sempre positivos para o corpo assim como muitos não o são para nossas próprias lembranças. Enfim,espalhei Pi nos pontos dos pulsos e, eis o cômico da situação:de forma muito abrupta e desesperada, acidentalmente, Pi derramou no meu próprio travesseiro, metade da amostra. Eu tinha que dormir com Pi e ser Julia Roberts por um dia, como o filme "Dormindo com o inimigo". Digamos que encarei também o desafio masoquista da experiência olfativa e decidi não trocar a fronha do travesseiro. Dormi com Pi.









Pi não é "mal de cama" (risos). De fato, é um perfume masculino que está na média de performance de tantos outros que conseguem ter um pouco mais de "talento" com as mulheres, mas infelizmente ele ronca, ronca notas de benjoim que atrapalham todas as demais qualidades e o "doce" cheiro torna-se algo difícil de lidar, pelo menos, com meu nariz que parece gritar quando existem notas que estragam todo o resto. Esta nota que, na minha opinião, não é abaunilhada como 99% das pessoas acham anula todas as demais notas. Não sinto cheiro de flor de laranjeira, muito pouco de manjericão e alecrim em comparação a ação destas notas em outros perfumes; simplemente o benjoim reina absoluto como o membro viril do perfume.

Você deve estar imaginando: Cris, você enlouqueceu em passar uma noite aspirando Pi, dormindo com um perfume que não te dá tesão e ainda dores de cabeça? Sim, caríssimos!, eu dormi com ele, afinal nem todas as transas que temos são satisfatórias, principalmente as perfumísticas. No caso de Pi, a curiosidade aguçou meus desejos pois, afogadas em benjoim, as demais notas precisavam ser desvendadas pela minha determinação até que eu mesma desistisse da experiência. No final, eu desisti pois cansei-me de ter a percepção de que a fragrância parecia ter uma camada de gordura de um produto de beleza, como o cheiro de um óleo corporal, com muito benjoim, é claro!

Mas não falarei tão mal de Pi assim, afinal a coisa mais feia é, após dormir com o perfume, sair comentando que é "mal de cama", não é mesmo? Piadinhas à parte, de fato, o perfume tem personalidade porque, mesmo não variando as "posições" das notas para criar um desenvolvimento satisfatório e menos linear, algo que pareça ter início, meio e fim, Morillas fez um perfume diferente, saindo dos clássicos fougères, cítricos ou amadeirados, ele produziu um perfume adocicado para homens e isso já é um avanço. Embora adore Morillas, somente acho que ele pecou com a ressonância desta nota que não sossega na pele e acaba tornando-se demasiadamente invasiva. De forma análoga à estória do "dormir com o inimigo", digo que é como uma nota que quer sentir só seu próprio prazer, alcançar o gozo próprio, invadir o prazer alheio e nada mais.

Se a idéia é estar adiante de tudo, a nota cumpre o papel do perfume pois o conceito da fragrância é : Pi Man, para o homem de ação que sempre supera a si próprio. E digo mais, supera a si próprio e supera o lugar do outro pois Pi invade peles, narizes e ambientes que, por instantes, fez-me esquecer que Pi vale 3,1416. Aliás, acho que deve haver uma série infinita de Pi em Pi, algo que contabilize 31.416 doses de Benjoim.

Ser ou não ser, eis a questão.

Pi Givenchy = π 1% ( flor de laranjeira+ tangerina + alecrim + manjericão) + 99% de benjoim = π 1% others + 99% de benjoim = π Pi Givenchy = 99% de benjoim


(English version)


There are some late olfactory experiences. Ones because, after a fast desire of sampling the perfume, the fragrance is introduced to us in a free and spontaneous way. Others only reach us because of a type of accident, something completely unexpected. Pi of Givenchy, created by the great Alberto Morillas in 1999 was one of the cases by accident and, the smell reached me in a funny situation.

I got as gift a small sample through a purchase at Ebay and, after months having no interest in testing the perfume, some days ago I decided to catalogue it, Pi and others samples. Having a curious behaviour and the wish of reviewing a male fragrance this week, I opened the glass vial and sniffed the sweet and a little strange aroma of Pi, because it was not exactly the smell of vanilla about which people always talk, but anyway I followed my way , trusting on my sensorial experience.


At the beginning, Pi seemed an interesting fragrance to my compulsive nose for sweet smells, but after five minutes, I was punished by a headache, a note of benzoim which, apparently was attractive, started to heat my head as an "autoritarian" smell, over and over in the fragrance, and there was no chance to let nor my nose neither my head in peace. The tangerine note passed faster, letting only an irresistible desire to feel it. I gave up and took some Tylenol, a little sad about this first experience,mainly because Pi is a fragrance of Morillas and , it is really difficult to find a perfume which is able to cause me some headache.

Maybe you are asking yourself: But what was the funny situation, Cris? Before telling you, let me laugh a little more about my own destiny. My destiny was to review Pi, because after two days keeping some distance of the fragrance, I face it and opened the sample vial again. It was about to face the own possibility to feel other headache, because after all, the aromas do not need to be positive for the body as well as some of them are not good for the memories. Finally, I poured some Pi on my pulse points and, the comic situation just happened: In an unexpected and desesperated way, accidently, Pi was shed on my own pillow, some as half of the glass vial sample. Pi was my fade, I had to sleep with Pi and be Julia Roberts for one day like the movie " Sleeping with the enemy". I confess that I faced the masochistic challenge and decided not to change the pillowcase. I slept with Pi.

Pi is not so bad on the bed (LOl). In fact , is a male perfume which is on the performance average of others fragrances that still have some talent with the women, but unfortunatelly Pi snores, snores notes of benzoim which disorde all the others qualities and the "sweet" smell become something really hard to deal with, at least, my nose that seems to scream when there is some disturbing notes which make a mess on all the fragrance mix. In my opinion, this fragrant note is not vanillic as 99% people think, moreover the benzoim anulate all the remained notes. I did not feel the smell of orange blossom, almost a little of basil and rosewood in comparison to others fragrances, the benzoim reigns absolutely as the virile member.

Perhaps you are imagining: Cris, are you insane? Are you crazy sleeping with Pi, some headache, no pleasure? Yes, my dears, I slept totally fragrant by Pi because you know that there are bed relationships that are not satisfied, mainly the perfumed ones. Regarding to Pi, being curious to know the sensation of this experience was the main priority, I had my desires provoked by a Givenchy temptation because the others notes, unless Benzoim, had to be insightful ( I had this hope following my determination, of course, until I give it up). Then, I gave it up after having the insight that the fragrance seemed to be a fat layer of a beauty product, as the smell of some body oil with much benzoim, of course again!


But I will not tell you only the bad about Pi, after all, the uglier thing is to sleep with the perfume and, when all is over, comment that it is "bad", no I will not do it. Apart from jokes, Pi has personality because, even the perfume does not alternate the "positions" of the notes to create a satisfactory and less linear development, Morillas made a different perfume, thinking under a different mix, escaping from the classical fougères, citrus or woody, he produced a sweet perfume for men and it is an enough advance. Although I like very much Morillas, the sin here was about the resonance of this note which does not rest on the skin and become very aggressive. In an analogous manner related to the story of "sleeping with the enemy", it is like to say that this note wants to feel only its own pleasure, reach the own pleasure, invade other's pleasure and nothing more.

If the idea is to be ahead everything, the note perfoms the role of the perfume because the concept is : Pi Man, for the action man that always surpasses himself. And I tell you more, surpasses himself and surpasses the others because Pi invades skins, noses and environments that, continually, Pi makes me forget that Pi worths
3,1416. By the way, I think there is an infinite serie of Pi in Pi, something that results 31.416 doses of Benzoim.


To be or not to be, that is the question:


Pi Givenchy = π 1% ( orange blosson+ tangerine + ironwood + basil) + 99% benzoim = π 1% others + 99% benzoim = π Pi Givenchy = 99% benzoim


Photo: Pi bottle , Givenchy.com and Ad Sleeping with the enemy, with Julia Robert, Google images.

Um comentário:

Italo Wolff disse...

Rssssssssssssssssssssss
Também nao me sinto confortavel com PI! Notas isoladas por si só são pessimas e ele parece realmente ser um perfume monologico, pois esse doce enjoativo, invasio e desconfortavel é sentido do inicio ao fim, e a impressão que temos é que sempre que nao gostamos de um perfume ele tem a fixação perfeita, kkkkk!