sábado, 6 de junho de 2009

Conversations: Star Perfumer Maurice Roucel, Symrise/ Entrevista: Perfumista Maurice Roucel, Symrise

Maurice Roucel, The star perfumer, the master, the wonderful Roucel

(an English-Portuguese interview)

Maurice Roucel is a Star Senior Perfumer at Symrise. His style of combining houses and brands style and their history and their uniqueness with his talent in perfumery in a responsible way makes Maurice Roucel a perfumer open-minded, multiple skilled and focused on creating fragrances to a range of perfume houses, from niche perfumery as Frederic Malle, Le Labo, Serge Lutens Les Salons du Palais Royal Shiseido, to Guerlain, Hermès,Rochas and others, from fashion designers as Roberto Cavalli, Donna Karan to Celebrity as Celine Dion. Due to his ability and competency to get along to many types of clients, he reached a high level of prestige and respect in perfume industry. As the follower of his work, I think Maurice is very independent in his perfumery metier, giving the impression that he is his own company. Respectfully, He is like Maurice Roucel S/A. It is evident to contemplate his fragrances as having been created with the signature of Roucel , because of it I love his favorite motto "Live the life and don't look back". I see that he makes what any perfumer artist should do: During a perfume process creation, live the life, live the perfume, live the moment of artisanship as it were the last day of a life, no matter the past and previous mistakes and concerns, no matter the pressure of the client, no matter all difficulties. We only keep creating in a healhty and successfull way, when we don't look back. The perfumery is past, present but more and more perfumery is the future of new fragrant generations. Now just look at my interview with Maurice Roucel and enjoy it. Live Perfumery and look always ahead, wearing an amazing fragrance. Fragrant greetings, Cristiane Gonçalves (aka Cris Rosa Negra)

Cris: How did you start the path of your perfumery art and which were the creativity influences on your work (people, places, concepts and others)?
Maurice: I started on February 19, 1973. Stepping into the world of perfumery 36 years ago felt like a monk in a cloister taking his vows. I already had a background in organic chemistry and gas chromatography, and my boss, Mr. Robert, hired me to do lab analyses. I did not know anything about perfumery at the time. It was a strange world to me and the only thing about it that interested me was the chemistry. Over the course of the next six years I studied the raw materials, learned more about the nose, read about perfumery and trained myself, so I guess you could call me a self-made man.

Cris: During your initial perfumery learning do you have some influences that collaborate to form you as a perfumer?

Maurice: No, I had no external influences, so in that sense I am pure. My first task was to analyze products I wanted to imitate, and here Mr. Robert gave me all sorts of freedoms. I was fortunate enough to have six years of training. So little by little, like in psychoanalysis, I transitioned from chemistry to perfumery.

Cris: I read in one of your portraits that you have a motto which is part of your life. The motto: “Live life and don’t look back” (Source: http://www.always-inspiring-more.com/). This quote reminds me of the career challenges for any perfumer in this competitive industry, mainly the beginner ones and the dreamers and all the efforts that have to be kept, no matter the disappointments. Tell me about these beautiful and inspirational words in this context.

Maurice: To live life is to enjoy life. Don't make your life more difficult and less interesting by always looking back to ask yourself unpleasant questions. It's much more interesting to think about the future and to imagine what you can create, instead of what you could have created or what other people did. That sort of thinking is a total waste of time and not all interesting. It might have been a bit good for me in the beginning, back when I was all by myself and learning the trade and only knew how to imitate other things. I did what painters do: they copy great works. The joy in it is not to try to be different for the sake of being different but to try to be yourself, and then automatically you will be unique, because everybody's unique.

Cris: Thoughtful words...still keeping the focus on the motto, perfume is a passion and moves us ahead. Tell us which were the main difficulties which you had in your career before becoming a recognized and star senior perfumer, these ones that you faced and didn’t look them back again.

Maurice: I agree with you that perfumery is a passion, and in my own case my passion shifted from chemistry to perfumery. Many people have passion inside themselves which they can dedicate to the arts or to whatever fields move them. But you cannot learn passion — it's simply in you, you either have it or you don't. What you can learn, though, is how to develop the technique and tools you need to bring to fruition the things that are inside you. It's awful when you have something to say but do not have the technique you need to express it. What's even worse is having good technique but nothing to say.

Cris: Fully agreed. Deep thoughts and incredible truth!

Maurice: Moreover, for some people it was really difficult to understand that I was much more a perfumer than a GC guy and had been for many years. I was straddling the fence, and people could approach whatever side was most convenient for them. But I kept looking ahead, not behind, and little by little, creation by creation, I have since been recognized not only as a senior perfumer, but as a star senior master perfumer.

Cris: In the range of your fragrances, you have demonstrated a fascinating aesthetics related to the skin smell. It is an intriguing talent converted into peculiar mix of notes which captures a sophisticated and exotic minimalist on a fragrant skin. Creations as Musc Ravageur and Dans tes bras, both of Editions de Parfums by Frederic Malle are skin based fragrances. I see that some people look for a skin smell but they wish to feel the insight of being fragrant, have on their skin a discrete and also noticeable smell. It is an interesting counterpoint in your aesthetes approach. How do you balance in your creative process the concepts of having a light smelling skin but also vibrant and seductive?

Maurice: If I do succeed in making these kinds of perfumes, it's because my personal taste guides me in that direction. Everything you create is a reflection of yourself. Personally I really like anything that is warm, ambery, woody, vanilla — anything with that "Guerlinade" sensuality. Influences like these come from the raw materials you like to work with, the ones that define your style.

Cris: Personal tastes always guide our work preferences, indeed. Most of perfumers enjoy creating body fragrances, nothing different from it ...However perfumers are not perfumers only for fine fragrances, they develop and create scents for many products as home fragrance, household,etc. What is opinion about?

Maurice: I think that perfumers have to be able to do different styles of perfumery. As a result, whenever I had time in the past, I enjoyed working on shampoos, soaps, and detergents, even though those were not my specialty as a perfumer. Nowadays, though, there is too much work and not enough time for our fine fragrance creation, so I am no longer able to recharge my batteries by going off for a while to experiment with technical perfumery.

Cris: Most of your fragrances are alluring. The image of a nose that captures the power of the sensuous vibrations. Each person has a sexy odor and a seductive behaviour as individual as a fingerprint. What is sensuality for you? And how it smells if we consider that there is a sensuality concept which is collective?

Maurice: How do I define sensuality? I am always my own first "guinea pig," and in the next phase I work with someone else, because I like to share. My underlying thought is that perfume is like a baby, and a baby needs to have parents. But I cannot work with someone who is not at the same level as I am in terms of their creativity, experience, taste, passion and so on. The third step is working with the client, which is much the same process. Since I start out working alone, I automatically drift towards my own taste, which is described as being sensual. This is because of the components I use: musk, sandalwood, vanilla, amber, patchouli, anything animalic, hot, spicy — these all fit in with what I want to do. As a perfumer, I can also make things which are very transparent, fresh, juicy — like Gucci Envy or DKNY Be Delicious — because you also grow when you are challenged. I also have to be in a position to make something like 24 Faubourg Hermes even if orange flower is not one of my favorites.

To me, sensuality is whatever is attractive and pleasant. It has to trigger an emotional response in me from an aesthetic and intellectual point of view, even if perfumery itself is not intellectual. Perfume speaks directly to your emotional core. This is why I like it, and I appreciate that people see me as being someone who makes sensual products.

Cris: I see you (smile)
Then, Tell me about perfume as a seduction code.

Maurice: A perfume is a message, and the person who wears it is the one sending the message. And I really like recognizing "myself" on the street sometimes when I pass by someone wearing one of my scents. Perfumes are also a way of signaling seduction. That is one aspect of the message which has to be strong, vibrant, simple but not as simplistic as a slogan. The strength comes from the simplicity which let everyone understands the message.

Cris: Maurice, thanks for your interview. I wish you success on your career and bring to us new lovely and sensual perfumes. I am going to wear L Lolita Lempicka as a seduction code right now.


Portuguese version


Maurice Roucel é o Perfumista estrela, máster Sênior na Symrise. Seu estilo de combinar o estilo, caráter único e história da casa com o seu talento na perfumaria de uma forma responsável faz de Maurice Roucel um perfumista mente aberta, diverso e habilidoso e focado em criar fragrâncias para uma série de casas de perfume, da perfumaria de niche como Frederic Male, Le Labo, Serge Lutens Les Salons du Palais Royal Shiseido, até Guerlain, Hermes, Rochas e outras, de fragrâncias de estilistas como Roberto Cavalli, Donna Karan até celebridades como Celine Dion. Devido a esta habilidade e competência de lidar bem com vários tipos de clientes, ele alcançou um alto nível de prestígio e respeito na indústria de perfumes.

Como uma seguidora de seu trabalho, penso que Maurice é muito independente na sua mestre perfumaria, me dando a impressão que ele é sua própria empresa. Respeitosamente, ele é como Maurice Roucel S/A. É evidente contemplar seus perfumes como tendo sido criados com uma assinatura de Roucel, por causa disso eu amo uma de suas favoritas citações "Viva a vida e não olhe para trás". Eu vejo que é isso que todo perfumista deveria fazer: durante o processo de criação de perfume, viva a vida, via o perfume, viva o momento da criação perfumada como se fosse o último dia de vida, não importa se o passado teve erros e se no presente há preocupações, não importa a pressão do cliente, não importa as dificuldades. Nós somente nos mantemos criando de uma forma saudável e bem sucedida, quando não olhamos para trás.

Agora olhe para a minha entrevista com Maurice Roucel e desfrute-a. Viva a perfumaria e olhe sempre adiante!

Saudações perfumadas,
Cristiane Gonçalves (aka Cris Rosa Negra)

Cris: Como começou sua trajetória na perfumaria e quais foram as influências criativas no seu trabalho (pessoas, lugares, conceitos e outros)?
Maurice: Eu comecei em 19 de Fevereiro de 1973. Pisando no mundo da perfumaria há 36 anos atrás, eu me senti como um monge em um enclausuramento fazendo seus votos. Eu já tinha tido um background em química orgânica e cromatografia gasosa, e meu chefe, Sr. Robert, me contratou para fazer análises laboratoriais. Eu não sabia nada sobre perfumaria naquela época. Era um mundo estranho para mim e a única coisa que me interessava nisso tudo era a química. Ao longo do curso de seis anos, eu estudei matérias primas fragrantes. aprendi muito mais sobre o nariz , li sobre perfumaria e me desenvolvi e treinei a mim mesmo , logo eu acho que eu você pode me chamar de um homem feito por mim mesmo.

Cris: Durante o seu aprendizado na perfumaria, quais foram as influências que contribuíram para lhe formar como um perfumista?
Maurice: Eu não tive nenhuma influência externa, logo, neste sentido eu sou puro. Minha primeira tarefa foi analisar os produtos que eu queria imitar e, aqui, o Sr. Robert me deu toda a sorte de liberdade. Eu fui um afortunado o suficiente por ter seis anos de treinamento. Então pouco a pouco, como na psicanálise, eu transitei da química para a perfumaria.

Cris: Eu li em um de seus retratos que você tem um “princípio” que é parte da sua vida. “Viva a vida e não olhe para trás” (Fonte: http://www.always-inspiring-more.com/). Esta citação me faz lembrar dos desafios na carreira de qualquer perfumista nesta indústria competitiva, principalmente os iniciantes e os sonhadores e todos os esforços que eles têm feito, não importando com as decepções. Conte-nos algumas palavras bonitas e inspiracionais para pessoas que vivem este contexto.
Maurice: Viver a vida é disfrutá-la. Não fazer a sua vida mais difícil e menos interessante por olhar sempre para trás e fazer a si mesmo as mesmas perguntas desagradáveis . É muito mais interessante pensar no futuro e imaginar o que você pode criar, ao invés de pensar no que você poderia ter criado ou o que outras pessoas fizeram. Esta forma de pensamento é uma total perda de tempo e não é interessante. Isso poderia ter sido um pouco melhor para mim lá atrás no começo quando era tudo por mim mesmo, aprender o negócio e só sabia como imitar as outras coisas. Eu fiz o que os pintores fazem: Eles copiam grandes obras. A alegria nisso não é tentar ser com o propósito de ser diferente mas tentar ser você mesmo, e então automaticamente, você será único, porque todo mundo é único.

Cris: Incríveis e contemplativas palavras... ainda mantendo o foco neste “princípio”, perfume é uma paixão e nos move adiante. Conte-nos quais são as maiores dificuldades que você teve na sua carreira antes de se tornar um reconhecido perfumista estrela , aqueles que você encarou e nunca mais olhou para trás.
Maurice: Eu concordo com você que a perfumaria é uma paixão e, no meu caso, minha paixão foi mudada da química para a perfumaria. Muitas pessoas têm uma paixão dentro de si próprias a qual elas podem se dedicar à arte ou a quaisquer campos que as move. Mas você não pode aprender a paixão – ela está simplesmente em você, você a tem ou não. O que você pode aprender, através, é como desenvolver a técnica e as ferramentas você precisa para trazer o gozo das coisas que há dentro de você. É horrível quando você tem algo a dizer mas não tem a técnica que você precisa expressá-la. O que é pior é ter boa técnica e não ter nada a dizer.

Cris: Totalmente de acordo... e que linha de pensamento, Maurice!
Maurice: Além disso, para muitas pessoas era realmente difícil entender que eu era muito mais um perfumista que um cara do da área de cromatografia gasosa e tinha sido por muitos anos. Eu estava escancarando a cerca e as pessoas poderiam se aproximar de qualquer lado, do que fosse mais conveniente para elas. Mas eu me mantive olhando para frente e não para trás e, pouco a pouco, criação a criação, eu fui sendo reconhecido não somente como um perfumista sênior como também como um perfumista máster sênior estrela.

Cris: No seu portfólio de fragrâncias, você tem mostrado uma estética fascinante relacionada ao cheiro da pele. É um talento intrigante convertido em um peculiar mix de notas no qual se captura um sofisticado e exótico minimalismo de pele perfumada. Criações como Musc Ravageur e Dans tes Bras , ambos da Editions de Parfums por Frederic Malle são fragrâncias baseadas na pele. Eu vejo que algumas pessoas procuram por um cheiro de pele mas elas desejam sentir a percepção de estarem perfumadas, ter na pele um discreto e notável aroma. É um interessante contraponto na abordagem de sua estética. Como você os conceitos são equilibrados no seu processo criativo de forma a ter uma pele com aroma leve e ao mesmo tempo vibrante e sedutor?

Maurice: Se eu sou bem sucedido em fazer estes perfumes é porque o meu gosto pessoal me guia nesta direção. Tudo que você cria é um reflexo de você mesmo. Pessoalmente, eu realmente gosto de qualquer coisa que é quente, ambarina, amadeirada e abaunilhada – qualquer coisa com aquela sensualidade “Guerlinade” , influências como estas vêm de matérias primas que você gosta de trabalhar com, aquelas que definem o seu estilo.

Cris: Os gostos pessoas sempre guiam as nossas preferências de trabalho, de fato. A maioria dos perfumistas gostam de criar fragrâncias para perfumação corporal, nada diferente disso... no entanto perfumistas não são somente perfumistas para fragrâncias finas, eles desenvolvem e criam aromas para muitos produtos como fragrâncias para perfumação do ambiente, para cuidados com a casa, etc. Qual a sua opinião sobre isso?
Maurice: Eu acho que os perfumistas têm que ser capazes de fazer diferentes estilos de perfumaria. Como um resultado, sempre que eu tive tempo no passado, eu me diverti trabalhando com xampus, sabonetes e detergentes, embora eles não fossem minha especialidade como perfumista. Atualmente, entretanto, há muito trabalho e não há tempo suficiente para a nossa criação de fragrância fina , logo eu não sou mais capaz de recarregar minhas baterias saindo , por um tempo, para experimentar a perfumaria técnica.

Cris: A maioria das suas fragrâncias são fascinantes. A imagem do perfumista que captura o poder sensual das vibrações. Cada pessoa tem o seu odor sexy e o sedutor comportamento individual como se fosse uma digital. O que é sensualidade para você ? E como ela cheira se considerarmos que a sensualidade é um conceito coletivo?

Maurice: Como eu defino sensualidade? Eu sempre sou o meu primeiro próprio “Guiné porco” e nesta fase eu trabalho com alguém porque eu gosto de compartilhar. Meu pensamento implícito é que este perfume é como um bebê e um bebê precisa ter pais. Mas eu não posso trabalhar com alguém que não está no mesmo nível como eu em termos de criatividade, experiência, gosto, paixão e tudo mais. O terceiro passo é trabalhar com o cliente, que é muito o mesmo processo. Desde que eu começo a trabalhar sozinho,eu automaticamente vagueio através do meu próprio gosto, que é descrito como sendo sensual. Isso é porque os componentes que eu uso: almíscar, sândalo, baunilha, patchulí e qualquer nota animálica , quente, especiada – estas todas combinam com o que eu quero fazer. Como um perfumista, eu posso fazer coisas que são muito transparentes, frescas, suculentas – como Gucci Envy ou DKNY Be Delicious — porque você também cresce quando você é desafiado. Eu também tenho que estar em uma posição para fazer algo como 24 Faubourg Hermès mesmo que a flor de laranjeira não seja uma das minhas favoritas. Para mim, sensualidade é tudo que é atraente e agradável. Tem que ativar uma resposta emocional em mim sob um ponto de vista estético e intelectual, mesmo que a perfumaria por si só não é intelectual. Perfume fala diretamente como a estrutura emocional. Isto é porque eu gosto disso e eu aprecio que as pessoas me vêem como sendo alguém que faz produtos sensuais.

Cris: Sim, eu entendo (risos) Agora, conte-me sobre o perfume como um código de sedução.
Maurice: Um perfume é uma mensagem e a pessoa que o usa está enviando uma mensagem. E eu realmente gosto de reconhecer “eu mesmo” nas ruas , às vezes, quando eu passo por alguém e percebo que este alguém está usando um dos meus perfumes. Perfumes são também uma maneira de sinalizar a sedução . Este é um aspecto da mensagem que tem que ser forte, vibrante, simples mas não simplista como um slogan. A força vem de uma simplicidade que deixa qualquer um entender a mensagem.

Cris: Maurice, obrigada pela entrevista. Eu desejo sucesso na sua carreira e nos traga mais perfumes adoráveis e sensuais. Usarei agora mesmo L Lolita Lempicka como um código de sedução.

(Interview published originally at PerfumeCritic.com by Cristiane Gonçalves aka Cris Rosa Negra, double publication at both medias agreed by Symrise PR). Forbidden any reproduction of this material without written permission of Perfume da Rosa Negra).
Photos: Maurice Roucel and DK Fragrances. All rights reserved.

Nenhum comentário: