sexta-feira, 4 de julho de 2008

Rose Secrète EDP, Il PROFVMO





Deitada no meu leito aconchegante, olhava para o teto do quarto com o olhar distante e contemplativo. Um olhar que perpetuava a captura crescente de algo além do branco da parede pintada, um olhar ávido por colorir com flores e amores a brancura solitária.

Contemplava o branco neve, gélido e intermitente que degladiava-se com o comforto da minha cama de finos lençois coloridos, quente e de um calor fugaz a cada movimento do meu corpo. Ele se movia pelos lençois, inquieto e nada mais.

Não suportava mais a falta de cor, do olor e dos versos de amor e pensei nas rosas secretas, a de Il Profvmo e a de Yeats. Antes de agarrar-me a "longíqua, tão secreta, inviolada Rosa" da poesia, debrucei-me sobre o travesseiro e derramei algumas gotas de Rose Secrète nos pontos mais secretos do corpo. Que êxtase! Sentia meu coração vibrar como um botão de rosa a desabrochar. Fechei os olhos, toquei as mãos suavemente no rosto e adormeci.




A brancura desaparecera por completo e pétalas de veludas rosas rosas surgiam do alto, caindo sobre minha pele, múltiplas e singulares, cada uma com um toque diferente, buscando desvendar locais secretos da minha pele. Rose Secrète, inebriante floral envolvia-me como os versos de Yeats e eu sussurava para mim mesma" Envolve-me na minha hora das horas", inviolada Rosa viola o meu secreto ser com o mais sedoso e doce dos toques.


A Rose Secrète de Il Profvmo desvendava os desejos do meu corpo e do meu coração, rosas calorosas, mesmo que delicadas exploravam meu eu corporal, meu eu espiritual, simplesmente meu eu. Mais pétalas embrenhavam-se em mim, não mais longíquas mas ainda secretíssimas, ousadíssimas, amicíssimas em sua forma de mover-se na minha pele voraz, carregada de um leve almíscar coadjuvando com aquela chuva de rosas.

A última pétala caiu sobre meus lábios e, genuinamente, sacou-me um beijo roubado e "por um sorriso, um brevíssimo sorriso (também) roubado", meu coração secreto desabrochou e o sonho não se acabou. Ainda pairava no ar o aroma de Rose Secrète, o perfume que, dialogando com os versos de Yeats, " encontrou enfim, entre riso e lágrimas,essa mulher tão radiosa em sua beleza".

Leia o original the secret Rose by Yeats, clicando aqui
Tradução em português A Rosa Secreta de Yeats, clique aqui
Para conhecer Il Profvmo, acesse o site e conheça o trabalho de Silvana Casoli.
Fotos na sequência, Rose Secrète EDP e rosas do site AmeRoses.com

3 comentários:

Italo Wolff disse...

A imagem mental ficou nitida em minha frente!
Completamente sexy, porém romantica, estas flores devem ser belissimas assim como a rosa negra que nos deu este deleite em forma de texto! sinto até mesmo o perfume somente de ler!

Átila Rodolfo disse...

Lindo. Radiante. Sexy sem ser vulgar. Delicadamente carnal....... Gostaria de uma review sobre Rose de Nuit de Serge Lutens.

Cris Rosa Negra disse...

Obrigada por expor os secretos pensamentos que tocaram suas leituras... Sim, muitas rosas sobre mim ao usar o rose secrète, a sensação é delicadamente sensual, pétalas felpudas e macias que dialogam com a maciez das carnes nuas. Melhor que isso, só deliciando-se entre as pétalas ouvindo o mar de Capri enquanto a brisa beija a cortina de seda branquíssima e transparente do meu quarto, criando ondas mágicas que flutuam como a desvirginada pureza da minha imaginação.