sábado, 10 de novembro de 2007

Vétiver Oriental, Serge Lutens



Único, encantador e afável. Estas são as virtudes relacionadas a Vétiver Oriental, a composição misteriosa, insinuante e ardente que concebe o vétiver como nota principal, enfeitiçada por uma íris, suavemente doce e sempre envolvida pela base amadeirada, cercada de delícias aromáticas resinosas que o ligam ao luxo terreno e ao comforto do corpo, da mente e da alma.
De todos os perfumes Serge Lutens,
Vétiver oriental é o que estabelece uma relação interessante entre a orientalidade da vivência de Serge Lutens nos Marrocos e as influências odoríferas tradicionais das madeiras e/ou resinas como vétiver, almíscar, sândalo, entre outras tão próximas a uma pungência mais "earthy" e sultana, característica dos aromas de grandes reis orientais e a ocidentalidade dos locais luxuosos e cosmopolitas nos quais Serge Lutens orientou sua carreira, locais que são celeiros de homens urbanos, conectados à tecnologia e todas as tendências futuristas.
Vétiver oriental estabelece um equilíbrio aromático oriental e ocidental, unindo o tradicional e o moderno e, fincado nesta relação, traz um aroma cativante do homem refinado, multicultural e vanguardista
, assim como Serge Lutens é. Isso se dá porque o perfume é um oriental que mescla tão bem elementos resinosos, amadeirados e ambarinos criando uma referência oriental para o perfume e a origem das notas olfativas. Encontra-se o aromático vétiver (indiano), o sensual âmbar (árabe) e os multiorientais como os resinosos musgo e ládano, os amadeirados sândalo e madeira de gaiac e o clássico almíscar. Uma mistura luxuosa e feita na medida certa para não ofegar a pele com a pungência exaustiva das madeiras. Esta medida certa para o mix olfativo só é possível porque estas notas fundem-se com a moderna e elegante íris que, não tão comum em perfumes masculinos, aromatiza o perfume em todos os momentos com o também vétiver e uma nota imaginária "amadeirada abaunilhada" que faz a intersecção entre a íris e as madeiras. Embora esta composição tenha chocolate na nota de coração, esta nota não é nada evidente na minha experiência olfativa, tanto que penso que é dispensável no mix.
Nesta criação Lutensiana, o Vétiver não é verde, ácido e refrescante como outros clássicos da perfumaria mas também não é pungente como um óleo natural de Khus; pelo contrário, é um vétiver extremamente encorpado para o comforto, leve e quente para cobrir a pele com requinte antes que esta mesma pele seja coberta por um roupa tão elegante quanto o perfume. Eu relaciono Vétiver Oriental a algumas nuances olfativas como o doce amadeirado aromático de Le Baiser du Dragon (Cartier) que interage com Vétiver oriental em notas como o almíscar, íris e o próprio vétiver, além de dialogarem no quesito elegância. Também o relaciono com Ambre Sultan (Serge Lutens) nos aspectos dos aromas resinosos e nas imagens sultanas geradas por ambos, em diferentes níveis de peso.
Embora o perfume seja compartilhável entre os sexos, cheguei à conclusão que Vétiver Oriental é perfeito no sexo masculino, contanto que a mulher que esteja ao lado deste homem use o Le Baiser du Dragon EDP de Cartier. Um casal perfeito de fragrâncias para um casal de bom gosto, igualmente perfeito.


Nota de íris em Vétiver oriental... Ela está sempre "visível" olfativamente
assim como a íris dos olhos de todos nós.


Foto: Serge Lutens Vétiver Oriental
Foto: Íris dos olhos, fonte Wikipédia

Nenhum comentário: