quarta-feira, 9 de março de 2011

Entrevista: Andréa Olim, Gerente de Marketing da Opaque Perfumes e Cosméticos

Por Cristiane Gonçalves, entrevista exclusiva Perfume da Rosa Negra, um novo tempo, um novo perfume



Andréa Olim, gerente de marketing da Opaque


Opaque, conceituada rede de perfumaria e cosméticos no Brasil se firma como uma das maiores e mais sólidas empresas do varejo do país, com projetos de abertura de novas lojas, investimentos em espaço de beleza e na emergente publicação impressa, a Opaque Magazine. No auge de mais de 20 anos de atuação no mercado de beleza Brasileiro, convidamos a gerente de Marketing Andréa Olim para falar sobre a evolução da Opaque, suas conquistas e desafios. Agradeço a Andréa, toda a equipe  Opaque e sua atenciosa assessoria de imprensa em conceder essa especial entrevista para o Perfume da Rosa Negra, ação que fortalece ainda mais a educação e formação de opinião em Perfumaria no país.


Um abraço,


Cristiane Gonçalves,
Editora

PRN: A Opaque é uma das mais tradicionais e bem sucedidas lojas de perfumes e cosméticos no Brasil. Conte-nos como foi o começo deste legado.

Andréa Olim: A história da Opaque começou em 1989, com a primeira loja inaugurada no Shopping Paulista. Nessa época o mercado ainda era bem restrito às mercadorias importadas e por esse motivo as perfumarias tinham perfil de loja de presentes importados, oferecendo um mix de produtos bastante abrangente, desde perfumes, cosméticos até brinquedos. Com a abertura das importações em 1990, o cenário começou a se alterar, as lojas começaram a se especializar em perfumes, cosméticos e maquiagem.


PRN: Em qual momento a Opaque deu um grande salto para se firmar no mercado? Quais foram os principais desafios?


Andréa Olim: Podemos colocar o ano de 1999 como o momento do grande salto; essa mudança foi marcada pela abertura da Opaque Pátio Higienópolis. Nessa época a rede possuía unidades nos Shoppings Paulista, West Plaza e Center Norte. Nesse momento, a Opaque torna-se a primeira perfumaria do Brasil a oferecer livre acesso aos produtos, eliminado os balcões das lojas, uma grande inovação para o mercado nacional. Além disso, algumas outras frentes começarem a ser trabalhadas, com o cliente como foco principal de atuação:
1) Prestação de serviços aos clientes com maquiadores e esteticistas das marcas internacionais;
2) Preocupação com o relacionamento com os clientes;
3) Busca por marcas exclusivas e seletivas;
4) Padronização e expansão das lojas da rede;
O principal desafio foi o de estruturar o negócio para implementar essas mudanças, as áreas administrativa e de marketing são então formatadas para alcançar esses objetivos.





Opaque Vila Olímpia
o 1º Dior Cosmotic Counter do Brasil



PRN: Vocês completaram 20 anos de história há dois anos atrás. A partir deste aniversário, a Opaque teve planos de desenvolvimento da rede? Quais foram os principais projetos ?


Andréa Rolim: Em 2009, ano em que a Opaque completou 20 anos da rede, realizamos a primeira edição do Prêmio Mulher em Destaque Opaque. Prêmio que é realizado anualmente e tem como objetivo reconhecer e premiar mulheres de destaque em sua área de atuação, mais do que aparência são mulheres de muito talento, dedicação e conteúdo. Em 2010 tivemos a segunda edição e a intenção é aumentá-lo a cada ano.
Trouxemos uma novidade para nossos clientes: inauguramos na Opaque Vila Olímpia o primeiro Dior Cosmotic Counter do Brasil, um espaço de beleza personalizado, alinhado aos móveis encontrados nas principais metrópoles do mundo, onde as clientes desfrutam de uma consultoria e serviços de beleza da marca Dior.
Além disso, estamos com fortes investimentos em nossa revista, Opaque Magazine, desde Junho de 2010, também pôde ser encontrada nas principais bancas de São Paulo e alguns projetos relacionados ao incentivo da cultura. Um exemplo disso foi o apoio à peça Side Men, que esteve em cartaz no teatro Sergio Cardoso.



PRN: Qual o melhor aprendizado que vocês tiveram durante todos estes anos a serviço da beleza e da perfumaria no Brasil?

Andréa Olim: Aprendemos o quanto o brasileiro é preocupado com a aparência e o quanto gosta de se cuidar. É um privilégio ter um negócio cujo produto é tão valorizado pelas pessoas.



PRN:  Como é vender perfumes no Brasil sob a ótica de um empresário?
(Prós e contras)
Com relação aos prós temos que:
- O brasileiro é preocupado com a aparência;
- O mercado de beleza no Brasil é o terceiro do mundo e está em expansão;
- Consumidor ávido por novidades;

Como Contras podemos citar:
- Alta carga tributária
- Concorrência dos Duty Free e das viagens internacionais
- Contrabando de perfumes importados
- Forte concorrência, em datas comerciais, de produtos como celulares




Opaque Pátio Higienópolis

 


PRN: Ainda são poucas as lojas de varejo que operam com venda de perfumes no país. Por que ainda não temos um varejo de perfumaria tão desenvolvido no Brasil?

Andréa Olim:  O mercado de perfumaria seletiva é restrito no Brasil por dois motivos principais:
- Elevada carga tributária, que tornam os produtos muito caros se comparados ao preço dos Duty Frees ou ainda de outros países;
- Mercado Paralelo – são encontrados facilmente perfumes que chegam ao país por vias ilegais.



PRN: Ainda pagamos muitos impostos sob produtos importados. Qual seria a melhor solução para os varejistas como a Opaque?

Andréa Olim: Uma possível solução seria a associação entre distribuidores e varejistas para pleitear junto ao governo uma possível redução na carga tributária desses itens, demonstrando a importância desse mercado para geração de empregos no país.




PRN: De maneira geral, ainda há uma defasagem no treinamento de vendedores de perfumes no Brasil pelas distribuidoras? Vocês têm feito alguma ação para melhorar o treinamento da força de vendas de sua equipe?

Andréa Olim: Em geral, a maioria das distribuidoras oferece treinamentos periódicos sobre produtos, tanto para lançamentos quanto para reciclagem da linha. Da nossa parte, identificamos as marcas que precisam de um reforço de treinamento e as distribuidoras realizam treinamentos para atender a nossa demanda.


PRN: Com relação à concorrência, há uma série de perfumarias virtuais que, pela característica do negócio web, tem um custo menor e podem até aplicar preços mais promocionais. Por que a Opaque não se enveredou nestas vendas virtuais?

Andréa Olim: Em 2004, iniciamos a operação de vendas online. Após cinco anos de operação decidimos renovar nosso site oferecendo ao internauta e aos nossos clientes conteúdo sobre beleza e interatividade, alinhando o ambiente online ao DNA da marca Opaque. O e-commerce, por ser uma ferramenta mais complexa ainda está em desenvolvimento.
Apesar de não termos vendas online nesse momento nos relacionamos ativamente na web com concursos, conteúdo sobre beleza e através das redes sociais.


PRN: A Opaque pretende crescer em todo o território nacional e/ou aumentar o portfólio de multimarcas da perfumaria?

Andréa Olim: Sim, temos planos de abrir novas lojas. Com relação ao portfólio de marcas ele tende a não se alterar muito, hoje trabalhamos com as principais marcas de beleza internacionais.




Direitos reservados Perfume da Rosa Negra.

2 comentários:

Daniimagens disse...

Muito bacana a entrevista. Adoro a Opaque por ser uma das poucas lojas de perfume onde é possível andar tranquilamente e sentir os perfumes sem pressão por parte das vendedoras. Isso pra mim é fundamental pois gosto de experimentar, observar a embalagem, sentir as notas da fragrância. Na maioria das lojas as vendedoras mais atrapalham que ajudam, ficando em cima, oferecendo produtos que não tem nada a ver e chegam a assustar! Confesso que nem entro mais nessas lojas com esse tipo de vendedoras ou que venda no balcão.

Cristiane Gonçalves aka Cris Rosa Negra disse...

Olá Dani,
Obrigada pela visita e comentário.
É fundamental que cada cliente, ao entrar em uma perfumaria, tenha uma experiência positiva com o perfume, sem qualquer incômodo, afinal, a experiência olfativa é libertadora, é intimista e , mesmo em um primeiro contato, deve ser genuinamente privativa. Cada vendedor(a) deve facilitar esse processo, independente dos interesses comerciais e/ou responsabilidades do seu cargo.

Eu também aprecio estar à vontade quando visito uma loja. As empresas devem saber disso.

Obrigada,

Cris Rosa Negra