quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Tom Ford em Vídeo, Private Blend Parfum Collection

A repórter da matéria da Vogue disse dois adjetivos que caracterizam o estilo Tom Ford de Criação: exclusivo e revolucionário . Não há dúvidas que ele é um desbravador da moda e da perfumaria , principalmente no contexto americano , famoso por seus narizes tradicionais, opostos à pungência européia em mesclar aromas. Tom Ford mostra cada vez mais que é um empreendedor, ao lançar, sua própria label em perfumes.
Ainda sigo conhecendo os perfumes de Tom Ford, no entanto experiências com Gucci EDP(Gucci), M7(YSL) e Black Orchid (Tom Ford) já foram impressionantes; além de reconhecer a ousadia de suas criações fashionistas, com a elegante nudez provocativa.
Ousadia é o comportamento de Tom Ford, ao lançar 12 fragrâncias de uma única vez, principalmente após o sucesso de Black Orchid. Ousadia e coragem, na minha opinão porque ele tem um nome a zelar e um público crítico que já o acompanha na moda. Nada disso o intimidou, reflexo de o quanto tem se empenhado nesta década.
Assistindo a essa matéria de Vogue, entendi que Tom Ford tem a impetuosidade e a autoconfiança daqueles que fazem o que tem que fazer e acreditam no potencial de seu trabalho.
As criações Black Orchid e Tom Ford for men permitiram que ele usasse o conceito chave que permeia toda a sua coleção: criar uma fragrância específica para um específico connaisseur (conhecedor) de perfumes. Talvez seja por isso que suas fragrâncias, além de trazer algo criativo na composição, consegue se desenvolver em blocos de notas olfativas, permitindo à um público exigente evidenciar como as notas são liberadas na pele.
Isso é bastante evidente nos perfumes que pude experimentar. Somado a isso, ficou claro na reportagem que Tom Ford valoriza o que chamo de "exclusividade dentro do possível", ou seja, nem sempre um perfumista deseja usar o mesmo perfume que seus amigos ou conhecidos usam, por mais vendável que a fragrância seja; criar perfumes pensando em oferecer algo mais exclusivo a um público exigente marca um diferencial em Tom Ford. Também fica claro que as 12 fragrâncias oferecem a possibilidade do perfumista viajar a vários lugares através da variedade de matérias primas, que capturam a essência traveller
de cada aroma.
Imagino que foi uma experiência inesquecível para ele, muito mais compensadora que só os negócios no competitivo entorno perfumístico. Trabalhar o lançamento de 12 fragrâncias como um projeto de reafirmação de seu nome como uma marca de perfumes e, o melhor, trabalhar de forma livre... conceituar estas particularidades individuais
que estão em cada fragrância construindo um verdadeiro laboratório de aromas que podem ser considerados como espelhos de uma pessoa, mostrando uma fragrância que diz tanto como a própria imagem refletida no espelho. Também imagino que Tom Ford não seja o homem que segue um script único para um lançamento; algo mais fechado, pouco criativo.
Assim como um estilista em um atêlie entre tecidos e moldes, Tom Ford passou do atêlie para um laboratório de fragrâncias, exercendo o seu melhor papel atual, o de um cientista aberto a experimentos originais da perfumaria.
O lado enérgico de Tom Ford é latente. Ele não se acha o melhor estilista e perfumista do mundo, mas tem o drive para fazer as coisas funcionarem, qualidade bem pessoal.
Não é a toa que ele conseguiu levar a grife italiana Gucci a um faturamento exorbitante nos anos 90, quando a mesma entrava em um buraco negro com uma queda brusca nos negócios. Além de não se importar com o que pensam dele, agindo de forma sempre polêmica com a valorização da nudez em suas criações publicitárias, a ver as campanhas de M7 e Opium (de YSL) e as insinuantes entrelinhas na sexy campanha de Tom Ford for Men.
O fato é que Tom Ford é influente na moda e um formador de opinião que dita(rá) comportamentos, não mais só fashions mas de beleza e bem estar; como podemos ver no Going ahead Mr. Sexy Tom Ford que compilei abaixo...


1990 : mais de uma década, como estilista, na italiana Gucci
1999: Gucci compra o grupo Yves Saint Laurent, Tom Ford responde pela área de prêt-a-porter
2002: Yves Saint Laurent se aposenta, Tom Ford assume a diretoria de criação da grife
2005: Criação da própria assinatura através de parceria com Estée Lauder, lançando as fragrâncias Youth Dew e Amber Nude.
2005: Lançamento de sua linha de óculos com Marcolin
2006: Continuidade dos projetos com Estée Lauder, com o lançamento da fragrância Azurée Soleil
2006: Lançamento da própria linha de perfumes, com début de Black Orchid
2006/07 : Parceria com Ermenegildo Zegna no mercado moda luxo para homens
2007: Lançamento de 12 fragrâncias Unissex, a coleção Tom Ford Private Blend
Projetos no radar : linha de maquiagem, mais um perfume masculino, uma linha feminina de skincare , uma linha de tratamento for men , um perfume feminino, mais uma linha de óculos, designer e empresário de moda junto a E. Zegna, mais uma linha de óculos e quatro projetos em Hollywood.





Vaidosos(as) e perfumados(as), preparem os bolsos! Mr. Tom Ford está cada vez mais sedutor. E como ele é sexy...God!







2 comentários:

Vera disse...

Concordo com cada palavra de seu texto, Cris,, mas o Azurée Soleil que ele criou para a Estée Lauder me decepcionou.Imaginei que seria tudo de bom e , na hora de provar, me pareceu aquoso,ácido,banal!Foi uma pena!

Rosa Negra disse...

Querida Verinha. Ainda provarei com cuidado o Azurée Soleil de Estée Lauder/ Tom Ford. Experimentei um toque na pele e não posso negar que embora não tenha aquele lado "perfumão" que usamos, ele tem uma nota de coconut chique. Aquele coconut de mulheres que estão em uma sacada em frente a uma praia paradisíaca de mar turquesa, elegantemente vestidas com suas saídas de banho caras. Um coconut não sintético, enfim preciso avaliar ainda ter uma opinião sobre o Azuree Soleil. A primeira impressão não foi negativa pra mim tendo em vista que ele segue uma proposta de verão... um verão que lembra um mar caribenho. beijo, Cris