terça-feira, 13 de outubro de 2009

Os 7 pecados capitais ao usar perfumes/ The 7 capital sins when wearing perfumes



Ira: A ira pode se manifestar, principalmente, quando alguém critica negativamente o seu perfume preferido. Relaxe! As pessoas são livres para gostarem ou não da sua fragrância e, em caso de críticas depreciativas, estas são facilmente descartáveis. Lembre-se que, acima de tudo, quem tem que gostar do seu perfume e sentir-se bem com ele é simplesmente você.


Gula: A gula pode ocorrer quando você compra perfumes aleatoriamente sem, no mínimo, conhecer um pouco do seu gosto perfumístico e qual perfume também estaria em sintonia com sua química, seu momento de vida e/ou ocasião no qual o usará. Compras gulosas e por impulso são neutralizadas quando você desenvolve uma básica educação olfativa que o conscientiza quem você é perfumisticamente e quais as melhores fragrâncias em você.


Inveja: A inveja básica é comprar um perfume somente porque o(a) amigo(a) indicou e/ou você gostou nele(a) de imediato ou porque simplesmente você precisa tê-lo a qualquer custo; afinal seria uma heresia não tê-lo assim como outras pessoas também o tem. De fato, herético é fazer questão de ter o que todo mundo tem e comprar um perfume motivado por uma necessidade mais externa que interna. Lembre-se que nem sempre o perfume que vai bem na pele de alguém também ficará bem na sua, além disso, considerando a bela natureza de um perfume, é feio demais invejar o perfume alheio.


Orgulho: O orgulho é revelado quando você acha que seu perfume é melhor que o perfume dos outros, que sua coleção de fragrâncias é a mais linda que a dos outros, que o seu bom gosto perfumístico é melhor que o dos outros. A soberba tende a ser pior quando você critica negativamente e com frequência o cheiro e as escolhas de perfumes de outras pessoas. Honestamente? Não há melhores perfumes em detrimento a outros, o que existem são pessoas bem perfumadas consigo mesmas e que merecem respeito.


Avareza: Não há avareza maior do que negar excessivamente a informação de qual perfume se está usando, principalmente quando a pessoa que o pergunta não necessariamente é uma pessoa invejosa e você pode muito bem fazer esta gentileza. A não ser que você tenha uma assinatura olfativa exclusiva do qual você é o único ser na face da terra que a tem, não seja avarento para falar sobre perfumes que lhe agradam, a riqueza do legado perfumístico está para todos. Na maioria das vezes, os perfumes estão amplamente disponíveis para a venda e não guardados em um baú a sete chaves somente para você, além disso falar sobre um perfume pelo qual você é apaixonado mobilizará o entusiasmo de outras pessoas a conhecê-lo e se deixar encantar pelo seu bom gosto.


Preguiça: A preguiça se manifesta quando o comodismo ao se perfumar também existe. Pessoas que não compram suas próprias fragrâncias e deixam para a esposa, o marido ou o(a) namorado(a) escolher e comprá-los, pessoas que não buscam conhecer outras fragrâncias e deixam sempre para depois qualquer perspectiva de potencialmente variar suas escolhas, pessoas que não apreciam nem ao menos sentir direito seus próprios perfumes na hora da compra e/ou uso. Perfumar-se é um ato extremamente ativo e de entrega, sem espaço para a preguiça.


Luxúria: No caso da luxúria, ela aparece muito mais na intenção do ato de perfumar-se para satisfazer impulsivamente a necessidade de uma sensualidade para o outro e, muitas vezes, não genuinamente para si mesmo, ou seja, perfumar-se de forma passional, excessiva e frequente para atrair a atenção do outro, ser o centro das atenções e ser mais desejado(a) sexualmente é um grande erro. Pessoas que compram uma fragrância somente para seduzir, para arrastar todo um quarteirão e deixar a marca de seus cheiros na multidão são óbvias demais, luxuriantes demais. O bom prazer é perfumar-se para si próprio e, consequentemente, através da delicada sutileza e espontaneidade deste ato, sua sensualidade naturalmente aflorará para os outros de forma única e inesquecível.


(English version)


Wrath: The anger may be revealed mainly when someone criticizes negatively your favorite perfume. Relax! People are free opinion makers to adore or not your fragrance and, in the case of nasty critics, these ones are easily discardable. Remember that, above all, whom has to like and feel well about your fragrance is simply you.


Gluttony: The gluttony may occur when you buy perfumes in an aleatory way without, at least, know a little more about your fragrant tastes and which perfume is best connected to your chemistry skin, your moment of life and/or occasion you intend to wear it. Gluttonous and impulsive purchases are counterbalanced when you develop a basic olfactive education which will make you aware who are you fragrantly and which the best perfumes would fit well on you.


Envy: The basic envy evidence is to buy a perfume only because a friend of you recommended to you and/or suddenly you enjoyed the scent on his/her skin or simply you think you need to have it at all costs; finally it would be a heresy for you to not have the scent other people also have. Indeed, heresy is envy what everybody has and buy a perfume motivated much more by an external need than a personal need. Remember that there are fragrances may not work well on your skin chemistry as your friend's skin, besides taking into consideration the beautiful nature of a perfume, it is very ugly to envy other's perfume.


Pride: The pride is revealed when you think your perfume is better than others' fragrances, when you guess your perfumes collection is the most beautiful of all, when you are certain that your fragrant taste is better than others. The pride tend to be worse when you criticize negatively and frequently the scent and the perfume choices of others people. Honestly? There are not better perfumes than others, what exist , in fact, are well fragrant people for themselves and they deserve respect.


Greed: There isn't bigger greed when wearing fragrances when you deny excessively the information about what perfume you are wearing , mainly when the person who are asking about not necessarily is an envious person and you should be gentle. Unless you have an exclusive olfactory signature you are the only person in the world who has this one, please don't be greedy to speak about perfumes which please you, the richness of the perfumery heritage is there for all. Most times, perfumes are hugely available to sales and not lockeup in a trunk up just for you, besides speaking of a perfume you are passionate for will make others people enthusiastic to know it and be captured by your good scented taste.


Sloth: The sloth happens when there is a type of comformism in the perfuming action. People who don't buy their own fragrances and let the wife, the husband , the girlfriend or boyfriend select and buy these scents, people who don't search for others fragrances and always give up any opportunity of varying potentially their fragrant choices, people who don't appreciate, at least, smelling well their fragrances, mainly in the time of purchasing them and/ or wearing them. Perfuming ourselves is an extreme active action, there is no space for laziness.


Lust: Regarding to lust sin, it appears much more in the intention of the perfuming act to satisfy impulsively the need of sensuality for the other person and, most times, not genuinely for yourself, that is, perfuming yourself in a passional, excessive and frequent way to attract the attention of others, to be the center of the world and be much more sexually desired is a huge mistake. People who buy a fragrance only to seduce, to let the scent linger in an entire block and let their perfume as main scent in the crowd are too obvious and luxuriant. The good pleasure is to perfume yourself for yourself and, consequently, through a delicate subtleness and spontaneity in this action, your sensuality naturally will be exulted in an unique and unforgettable way.




Text by Copyright Cristiane Gonçalves for Perfume da Rosa Negra.
Photo credit: Gucci Envy ad by Gucci

Nenhum comentário: