sábado, 9 de maio de 2009

Perfume Review: Magnifique, Lancôme

By Italo Wolff


Lancôme Magnifique


Hoje pretendo discorrer sobre uma das criações mais recentes da Lancôme, uma das mais importantes, se não a mais conhecida marca de cosméticos e perfumaria, que há mais de cinco décadas tem se firmado por sua qualidade e excelência nos produtos que oferece ao seu público extremamente exigente. Trésor e Magie Noir marcaram época, respectivamente, como clássico Floral e o outro com seus acordes orientais arrebatadores e de uma sensualidade ímpar.



Vermelho é desejo/ Red is desire


Magnifique, ou como o dicionário define: EXCELENTE. Uma criação conjunta de Oliver Cresp e Jacques Cavallier, datada em meados de 2008. O primeiro contato que tive foi com a campanha publicitária, na qual Anne Hathaway é protagonista, justamente a atriz que ficou conhecida depois do Filme O Diabo Veste Prada, que retrata de forma bem humorada a crueldade do mundo da moda para aqueles que não se encaixam no padrão a ser seguido. Anne é estagiária em uma revista de moda renomada e tem como chefe Miranda Priestly, representada pela excelente atriz Meryl Streep, que faz a vida de Anne se tornar um caos, com suas exigências e crueldades. Confesso que fiquei atraído pela bela publicidade onde o vermelho é internamente explorado em várias de suas nuances, causando assim um impacto instintivo pelo desejo de conhecer e até mesmo de possuir a fragrância. Para não errar na hora da compra decidi constatar se o aroma é magnífico ou não.





Cresp e Cavallier criaram para este perfume uma composição teoricamente espíridica, ou seja, um aroma em espiral onde as notas se sobrepõem umas sobre as outras em um constante ciclo no qual nada deveria ser perdido e, com o passar das horas deveria tornar-se novo e vivificador.


Um floral altamente especiado, composto em torno de uma nota muito pungente e oriental, a nota de açafrão, que perambula em todas as camadas desse perfume, tem um tom selvagem e agressivo, o que pode ser interpretado como magnífico, mas se excedido tornar-se-á irritante e invasivo. Além do açafrão em doses exageradas, foram usados acordes de rosa, vetiver, sândalo, jasmim e erva-doce, tais ingredientes altamente orientais e densos, contribuem para um acorde atalcado e seco que pode remeter a perfumes antigos, da própria marca, como é o caso do legendário Magie Noir, um dos marcos da década de 1970; porém Magnifique não possui nada comparado à evolução brilhante e sensual de Magie Noir. Assim a criação teoricamente espíridica é sufocada pelo acorde de açafrão e torna-se linear e sem a beleza que deveria ter.


Confesso que desde a saída repleta de açafrão até a culminância atalcada e seca o perfume em nada me agrada, tornando-se a meu ver um extremo, pois o açafrão sufoca todas as outras notas, de modo que percebo um desequilíbrio geral nessa composição. Assim o perfume perde sua beleza e magnitude, passando a ser apenas mais um cheiro nauseante.


Meryl Streep as Miranda Devil dresses Prada


Depois dessa Odisséia olfativa, confesso que a imagem de magnitude é mais coerente com Meryl Streep do que com Anne Hathaway, um perfume feito para senhoras maduras e bem vestidas que em algum momento de sua produção exageraram nas borrifadas de seu aroma predileto, se Magnifique existisse na época de lançamento de O Diabo Veste Prada, provavelmente Miranda agarraria esse perfume com unhas e luvas de pelica. A campanha converge perfeitamente no que diz respeito ao vermelho, pois tanto pode sinalizar desejo como "não vá em frente, perigo"... No caso presente é um sério alerta de perigo iminente.


Talvez em climas temperados como os de Paris e New York, Magnifique vista muito bem a pele das Mirandas Priestly em noites frias e em doses homeopáticas é claro, mas de certo não é um perfume para climas tropicais, sendo assim, entra no rol dos excessos.


Italo Wolff é escritor de perfumes de Alagoas (Brasil) e colaborador exclusivo para o Perfume da Rosa Negra




(English version)


Today I intend to tell you about one of the most recent creations of Lancôme, one of the most important and known cosmetics and perfumery brand, which has been more than five decades in the market for its quality and excellence in products for its demanding consumer public. Trésor and Magie Noir are milestones in Lancôme path, respectively, as a classic floral and the other one which captures oriental chords and unique sensuality.

Magnifique, is as the dictionary defines: EXCELLENT. A creation of Oliver Cresp and Jacques Cavallier, composed in 2008. The first contact that I had was with the advertising campaign,in which Anne Hathaway is protagonist, exaclty the actress that was known after the movie The Devil dresses Prada, which perfoms with very good humor the cruelty of the fashion world for those who do not fit the fashion style patterns. Anne is an apprentice in a renowned fashion magazine directed by Miranda Priestly, her boss and represented by the excellent actress Meryl Streep. Miranda makes Anne's life an evil chaos with her demands and cruelties. I admit that I was attracted by the beautiful advertisement where the red is explored in its many nuances, provoking the instinctive impact of desiring and possessing the fragrance. Wondering that I could not make a mistrake in the purchase time, I decided to check if Magnifique was magnificent or not.

Cresp and Cavallier composed, theoritically, for this perfume a spiridic structure, where notes are on others notes in a constant cycle when anything is lost, and as the hours pass, the fragrance becomes new and vivid.

A strong spicy oriental created within the pungent note of saffron which is in all layers of perfume, becoming it filled by wild and aggressive tones. What would be considered magnificent, exceeds and becomes Magnifique invasive and bothering. More than exaggerating doses of saffron, the fragrance also features rose, vetiver, sandalwood, jasmine and anise, highly oriental and dense ingredients, they contribute to a powdering chords that seems to be those ones for mature ladies as the legendary Magie Noir during the 1970 decade, however Magnifique doesn't have anything compared to the brilliant and sensual evolution of Magie Noir. The spiridic form is suffocated by saffron chords and the fragrance becomes linear and without the beauty that should have.

I must admite that from the strong saffron start till the powdered drydown, anything from the fragrance pleases me, in my opinion, all is about an extreme because saffron suffocates all other notes, so it means un unbalance in the composition.The fragrance loses its beauty and magnitude, becoming one more nauseating scent.


After that olfactive experience, I see that Magnifique image is more suitable to Meryl Streep than Anne Hathaway. A perfume done for experience and well-dressed ladies who, in some moment of their production, they exxagerated in some doses of their favorite fragrances. If this perfume existed at the time of The devil dresses Prada release, probably Miranda would catch this fragrance with her fingernails and kid gloves. Perfectly, the campaign is aligned to what red also means, because more than a desire symbol, it is also like " be careful, danger ahead"... in the case of the fragrance, it is a serious alert of imminent danger.


Perhaps the fragrance works better in temperate climates like in Paris and New York, covering skins of Mirandas Priestly in cold nights and in small doses. It is right to say that the perfume is not for tropical climates, finally, is in the excesses list.



Italo Wolff is fragrance writer from Alagoas, Brazil and is collaborator for Perfume da Rosa Negra.




Lancome photo credits. All rights reserved.

Movie Pictures . Source IMDB PRODUÇOES

Montage by Italo Wolff. All rights reserves.

Review of Italo Wolff - copyright protected by Perfume da Rosa Negra

Nenhum comentário: