sábado, 14 de fevereiro de 2009

Perfume Review: Homme Exceptionnel (for men), Montblanc


Montblanc, conceituada marca de acessórios de luxo, como as suas canetas, objetos de desejo entre produtos para escrita, expandiu o portfólio de seus produtos no decorrer de anos. Desde jóias até mercadoria luxuosa em couro, Montblanc é elegância para aqueles que valorizam a exclusividade em acessórios que tornam qualquer um uma pessoa de bom gosto. Com seu empreendedorismo transformou-se em marca cult para o público masculino, principalmente no mundo dos negócios e outros consumidores em mais de 70 países cujos valores de consumo estão alicerçados em produtos de qualidade, criteriosamente elaborados por uma empresa que pode ser considerada a artesã de acessórios para pessoas bem sucedidas, principalmente executivos.


Homme Exceptionnel (2008) é o último lançamento no roll de fragrâncias masculinas de Montblanc criado pelo perfumista Harry Fremont
(FiFi® Awards 2007 por Juice Couture) e é composto por notas de café, tangerina, lavanda, sálvia, menta, gengibre, almíscar, patchuli, âmbar e baunilha. A fragrância, um amadeirado aromático, personaliza o conceito poderoso baseado em um perfume excepcional para homens excepcionais. Segundo publicidade , Homme Exceptionnel é uma fragrância para o homem que é "um líder natural e carismático, que não se importa com o momento e as circunstâncias. Sua incrível aura o torna o centro das atenções. Sua presença nasce de sua confiança, seguro de si é ciente do impacto que causa nos outros". Não há como questionar que o conceito expressa o poder de um homem que tem auto-estima em alta, mas será que o perfume garante esta auto-confiança?


A fragrância tem uma saída de notas bem amadeirada, tanto que as notas de cabeça café, tangerina e lavanda não aparecem tão fortes como na teoria. Com exceção da nota de café, demais notas iniciais não protagonizam a entrada ; somente dão o tom de uma leve doçura aromática que as madeiras precisam. O perfume abre o amadeirado viril com os acordes mais imediatos de um patchulí que se antecipa, misturado a um blending que trata as madeiras como um traço da masculinidade . O café torna Homme Exceptionnel mais quente mas não caracteriza o perfume como uma "coffe-fragrance". Analisando o início olfativo, percebe-se que não é uma entrada bruta em comparação a outros amadeirados, nem mesmo de influência patchouliana agressiva mas é uma entrada "rude" para um Montblanc, principalmente quando se lembra o maravilhoso Montblanc Presence, que é a personificiação sutil e elegante da marca. Por outro lado, para aqueles que gostam de avaliar perfumes masculinos e compará-los com relação à pobreza criativa que se vê hoje na criação de perfumes para homens , Homme Exceptionnel tem um amadeirado bem peculiar para um Montblanc e não decepciona ninguém no primeiro spray ,o que só vêm a atiçar a curiosidade pelo que virá na evolução.


Mais tarde, o perfume começa a melhorar o seu aroma para um refinamento exótico. As notas amadeiradas são mais rendidas ao cheiro mais almiscarado, um leve gengibre tempera o perfume para acordes mais "especiados" e a reminiscência gourmand mais aromática segura a duração do perfume na pele, o classificando como um amadeirado especiado , levemente adocicado. É nítido que o desenvolvimento acaba neste ponto como o ponto final colocado por uma caneta Montblanc e, resta a mim agora pensar sobre o que é ser excepcional e, principalmente, o que é uma fragrância excepcional.





Homme Excepcionnel não é um perfume ruim mas ele não é excepcional. Ele poderia cheirar a algo fenomenal, tão fascinante e acima da maioria dos perfumes; poderia fazer com que narizes e pescoços se rendessem a ele, mas sei que a aceitação não foi tão boa assim e agora entendo o porquê. Primeiro motivo é a expectativa que um conceito pode causar. Trazer o conceito de excepcional, de extraordinário em uma fragrância é uma grande responsabilidade porque, previamente, monta na cabeça do consumidor a idéia de um perfume invencível, fora da curva da normalidade, um perfume-exceção, consequentemente, um homem que quer ter um cheiro-exceção perante a multidão, ter o perfume que seja o espelho de seus talentos excepcionais buscará em Homme Exceptionnel o seu "perfumão".


Segundo motivo é a comparação que a clientela Montblanc, a qual se identifica com os valores e o estilo da marca pode fazer com prévias fragrâncias masculinas e, claro, com tudo que os tornam clientes fiéis. Entendo bem esta questão pois, além de ser uma mulher que gosta de Montblanc, tive este sentimento quando a marca lançou Femme. Decepcione-me bastante porque, além de ver um bolo de canela na minha frente em forma de perfume, de imediato comparei Femme com os deliciosos Montblanc Presence D'une Femme e Femme Individuelle, também achei Femme um perfume aquém da elegância olfativa que carrega Montblanc. Logo, é natural que Homme Exceptionnel seja comparado a Presence, por exemplo, um perfume interessante, cheiro de homem elegante, bem-sucedido e de marcante virilidade.


Terceiro e último motivo é a expectativa que se cria no marketing do perfume. Neste caso, Montblanc não anunciou aos quatro cantos do mundo como outros perfumes que costumam ter uma divulgação "over", mas usou como referência um homem excepcional por seus talentos excepcionais, o pub Joshua Bell, violinista de renome, ganhador do Grammy Award na categoria de clássico. Como consumidor, penso que a identificação se a publicidade é efetiva ou não pode beirar até questões do subconsciente, mas em primeira instância, a publicidade leva o consumidor a imaginar se aquele (a) pub usaria ou não o perfume e, neste caso, penso que talvez Joshua Bell escolheria um perfume de aroma mais exclusivo, um cheiro que o destacaria além de qualquer outro músico, um aroma que não seria Homme Exceptionnel. Logo, conclui-se que a campanha não condiz com a realidade do perfume e muito menos com a pessoa que o representa.





Apesar de não ver Homme Exceptionnel alinhado ao conceito de ser excepcional, considero-o bem mais interessante que Femme, o último feminino lançado e que Starwalker, outro perfume masculino bem distante da finésse da marca. Imaginar Homme Exceptionnel vestindo a pele de Joshua Bell é como imaginar madeiras que vão sendo trabalhadas cuidadosamente para que o violino tenha o mais nobre acabamento. É como imaginar as especiarias que são refinadas com leves toques para expressar o calor das educadas palmas da platéia. É como imaginar que mesmo que um perfume não seja excepcional em todas as suas qualidades, ele sempre será extraordinário na pele de alguém.





(English Version)



Montblanc, the reputable brand of luxury goods with its pens, desire objects among its writing instruments, expanded its line of products during years. Since jewels till luxury leather items, Montblanc is elegance for those who value the exclusivity in accessories that become anyone a person who has good taste. Through its entrepreneurship become itself the cult brand for the male public, mainly in the business world and others consumers in more than 70 countries whose consumer values are founded in quality products, criteriously elaborated by a company which may be considered the craftsmanship company of the fine goods for very successful people, mainly the executives ones.


Homme Exceptionnel (2008) is the last release in the roll of Montblanc male fragrances, created by the perfumer Harry Frémont (
FiFi® Awards 2007 for Juice Couture) and is composed by coffee, mandarin orange, lavender, sage, mint, ginger, musk, patchouli, amber and vanilla. The fragrance, a woody aromatic, personalizes the powerful concept based on an exceptional perfume for exceptional men. According to its advertisement , Homme Exceptionnel is a fragrance for the man who is " a natural and charismatic leader, who does not matter to the moment and the circunstances. His amazing aura become him the attention center. His presence is born from the self confidence, he is self-reliance man and is aware of the impact he causes on others." Reading these lines, there is no chance of debating that the concept expresses the power of a man who has a high self-steem, but would this perfume assure this self-confidence?



The fragrance has a notes opening very woody, so much that the top notes coffee, mandarin orange and lavender don't appear so strong as in the theory. With the exception of the coffee note, other initial notes don't play the main role of the heady scent and only give the undertone of the light aromatic sweetness that the woods need. The fragrance opens a virile woody with the immediate chords of a patchouli which is antecipated, mixed to a blending that deals with the woods as a trace of masculinity. The coffee become Homme Exceptionnel warmer but does not describe it as a "coffe-fragrance". Analysing the olfative beginning, it is clear that the opening is not "brute" in comparison to others woody fragrances, nor the patchoulian influence is aggressive, however the opening is still unrefined for a Montblanc, mainly when I remind of the wonderful Montblanc Presence, that is the subtle and elegant personification of the brand. On the other hand, for those who enjoy evaluate male fragrances and compare them against the poor creativeness that is evident in the male perfumes making nowadays, Homme Exceptionnel has a peculiar woody scent for a Montblanc and does not disappoint anyone in the first spray, what just foment the curiosity for what will be smelt in the fragrance development.


Later, the perfume starts to improve its aroma for an exotic refinement.The woody notes are rendered more by a musky scent, a slight ginger tempers the fragrance with spicy chords and the gourmand reminiscence is more aromatic and keeps the long lasting period of the fragrance, classifying it as a woody spicy, lightly sweet. It is clear that the development is over in this point as a final dot put by a Montblanc pen and it is entitled to me now to think about what is being exceptional and, mainly, what is a exceptional fragrance.


Homme Excepcionnel is not a bad fragrance but it is not exceptional. It should smell something spectacular, so mesmerizing and above most of the fragrances , making noses and necks to be surrendeded by it, but I know that the fragrance was not a "blockbuster-fragrance " and now I understand why. The first reason is the expectation that a concept can create on the consumer. To bring a concept of being exceptional, of being extraordinary in one fragrance is an huge responsability because, previously, it is built in the mind of the consumer the idea of an insuperable fragrance, out of the curve of the normality, an exception-perfume, consequentely, a man that wants to wear an exception-smell in the crowd, that wants the perfume that can be the mirror of his exceptional talents he will search in Homme Exceptionnel his "big" fragrance.


The second reason is the comparison that Montblanc customers, who identify themselves with the values and the style of the brand may make with previous male fragrances and,of course, with everything about Montblanc that make them to be loyal clientele. I understand well this point because, more than being a Montblanc admirer, I had this feeling when Montblanc launched Femme. I was very disappointed with the smell because, more than seeing a cinnamon cake in front of me in form of the perfume, immediately I compared Femme with the delightful Montblanc Presence D'une Femme and Femme Individuelle, moreover I also thought that Femme is below the olfactory elegance that carries Montblanc fragrances. Then, it is natural that Homme Exceptionel be compared to Presence, for example, an interesting perfume, smell of elegant, successful man with a remarkable virility.


The third and last reason is the expectation that is created by the perfume marketing. In this case, Montblanc has not advertised in the four corners of the world as others perfumes used to doing an over publicity but it used as reference an exceptional man for his exceptional talents , the pub Joshua Bell, renowned violinist, Grammy Award winner in the classical category. As a consumer, I think that the identification if the advertisement campaign is effective or not can be close to many reasons that go till the
subconsciousness, but in a first appeal, the ad takes the consumer to imagine if that pub would wear or not the fragrance and, in this case, I think if perhaps Joshua Bell would be able to select other exclusive fragrance, a smell that would distinguish himself more than any other musician, an aroma that would not be Homme Exceptionnel. Then I conclude that the ad campaig does not suit to the reality of the fragrance scent and also with the person who is representing it.


Despite I think Homme Exceptionnel is not aligned to the concept of exceptionality , I think the fragrance is more interesting than Femme, the last Montblanc female fragrance and also Starwalker, other male fragrance that is so far from the brand finésse. To imagine Homme Excepcionnel wearning the skin of Joshua Bell is like to imagine woods that have been worked with craftmanship , carefully to make the violin have a noble finishing. It is like to imagine spicies that are refined with slight touches to express the warmth of the polite claps of the audience. It is like to imagine that, even the fragrance is not exceptional in all its qualities, it always may be extraordinary on someone's skin.


Photo: Ad Homme Exceptionnel by Montblanc , Violin by VlaStudio

Nenhum comentário: