sexta-feira, 1 de maio de 2009

Perfume Review: Chance Eau Fraîche, Chanel


Frescor... mesmo entre os finos tecidos de um elegante vestido, no qual suas fluídas ondulações poderiam ser ondas de refrescantes águas, ainda há o frescor. Frescor... desabotar o tailleur em uma reunião executiva e sentir que as gotas de um contido suor poderiam ser gotas de cubos de gelo que gotejam no meio dos meus seios. Na elegância e delicadeza das vestimentas formais, ainda há o desejo eminente, simplesmente, pelo frescor.

Chanel Chance Eau Fraîche representa esta refinada refrescância, ou no mínimo, tem a delícia recatada de um frescor que pode transbordar da pele, perfumar as finas estampas e sair pelo ar a perfumar a mais versátil, bem vestida e sofisticada das damas. No escuro de terninhos a la Chanel, um líquido perfumado, verde brilhante e cristalina impera e, gotas de água abraçam o frasco e o coração da fragrância.

Criado pelo perfumista master da Chanel Monsieur Jacques Polge em 2007, Chanel Chance Eau Fraîche transborda frescor em sua entrada de notas cítricas, um aroma verde, levemente doce e claro, como se o verde da fragrância se unisse às águas límpidas. Águas alegres e transparentes que trazem uma vitalidade imediata. A principal nota de cabeça, cidra, une a refrescância de um cítrico semelhante a limão com a doçura de um doce de cidra, embora de uma forma muito peculiar, trabalhados com o divino metier de Polge. Esta união vibrante dos opostos no qual há uma floral refrescância alicerçada em uma leve doçura, trianguladas pela cidra, jacinto aquático e o bouquet floral de absoluto de jasmin faz desta versão fresca do tradicional Chance um novo perfume.




Chanel Chance Eau Fraîche é uma nova fragrância e não se assemelha a Chance, com exceção da distante lembrança do âmbar e do vetiver. A saída de notas é bem construída com o propósito de fornecer um frescor imediato, logo no primeiro spray, é puro "green", como refrescar-se em transparentes águas que estão próximas a uma memorável paisagem verde, cenário de um lugar sofisticado com pessoas bonitas, bem educadas e sucedidas. Desta forma, não há um sentimento de "déjà vu olfativo".

De uma maneira bastante instantânea, este cenário verde desaparece. Considerando sua força "green" é interessante notar como o perfume peca no sentido de deixar um certo saudosismo da saída verde tão intensa. É como se Jacques Polge tivesse isolado o "ser fraîche" em uma entrada majestosa, como a mulher que se despe rapidamente, tirando suas roupas e jóias e, de repente, entra nas águas e se delicia lentamente, contemplando as gotículas de água que se formam em seu corpo nu.

Posteriormente,
Chanel Chance Eau Fraîche não mantém sua força no jasmin que, aqui, dá somente o aspecto floral ao perfume. Como o sair de um banho, o corpo se aquece e aquelas gotículas de água desaparecem à medida que notas amadeiradas, muito mais ambarinas aquecem a fragrância. Sinto o cheiro almiscarado, com leves toques de âmbar e, neste instante, penso naquelas imagens que, após um banho em límpidas águas, o corpo nu deita-se entre as folhagens e enche-se com o fôlego de uma natureza circundante. O aroma das madeiras não é forte, mas ele tem um pacto com o todo daquele meio ambiente que tira e dá calor.





Embora eu ainda prefira a versão tradicional, esta fragrância ainda é um Chanel e, por isso, vale a pena experimentar caso queira um frescor que não pareça vindo de um perfume sem expressividade. Lembre-se que Chanel Chance Eau Fraîche tem a sua força e sua personalidade no início do perfume onde o frescor é abundante e cativante, no entanto, para um Chanel, ele tem a magia especial de ser um perfume refrescante com uma marca de elegância. É como imaginar madame Coco Chanel na Riviera Francesa.


Resenha por Cristiane Gonçalves aka Cris Rosa Negra
Fotografias de Chanel Chance Eau de Fraîche por Dâmaris Silva, direitos reservados.


Dâmaris Silva é psicóloga, professora universitária e fotógrafa de Santa Catarina (Brasil) e é fotógrafa colaboradora para o Perfume da Rosa Negra.


Notas oficiais de Chance Eau Fraîche: cidra, jacinto aquático, absoluto de jasmin, almíscar branco, vetiver, âmbar, patchuli e madeira Teka.



(English version)


Freshness... even among fine fabrics of an elegant dress whose waves seem to be waves of refreshing waters, there, there is still some freshness. Freshness... unbutton the tailleur in an executive meeting and feel those drops of a discrete perspiration that would be drops of ice cubes falling between my breasts. In the refinement and delicacy of formal clothings, there, there is still the eminent desire, only for some freshness.


Chanel Chance Eau Fraîche represents this refined freshness, at least, the delight of a freshness that can leave the skin, making fine fabrics be fragrant and, then, go to the air making the most versatile, well-dressed and sophisticated among ladies be fresh and fragrant among us. In the darkness of tailleurs a la Chanel, a scented and brilliant green liquid and crystalline reigns, water drops hug this bottle and the fragrance heart.


Created in 2007 by the Chanel in-house master perfumer Monsieur Jacques Polge, Chanel Chance Eau Fraîche is about a light freshness, starting from its opening with citrus notes, a green aroma, slightly sweet and clean, it is like to see the green of the fragrance be joined with limpid waters. Joyful and transparent waters that bring an immediate vitality. The main heady note, the citron, joins the freshness of a citrusy note compared to a lemon with the sweetness of a citron candy, although in a very peculiar manner, well combined by the divine metier of Polge. This vibrant union between these extremes in which there is a fresh floral founded by a light sweet accord, also making a triangle by notes of citron, water hyacinth and jasmine absolute transform this fresh version of the traditional Chance in a new perfume.

Chanel Chance Eau Fraîche is a new fragrance and is not similar to Chance, the exception is the distant reminiscence of amber and vetiver scents between both. The start of notes is well-buit , based on the purpose of providing an immediate freshness, soon in the first spray, a pure "green" scent is smelt , it is compared to refresh yourself in transparent waters that are near a memorable green landscape, scenery of a sophisticated place with beautiful, polite and successful people. Thus, there is no feeling of "an olfactory déjà vu".

In a very sudden way, this green picture disappears . Considering its "green" strenght , it is interesting to notice that the fragrance commites a sin because make us miss this intense scented green start . It is like to guess that Jacques Polge isolated the scent of "being fraîche" in one majestic opening, like a woman that undresses herself in a fast way, taking her clothings and jewels off and, suddenly, she goes to waters and there she delights each moment of this pleasure, slowly, contemplating the small water drops that are formed on her naked body.

Later Chanel Chance Eau Fraîche does not keep its aromatic strenght on jasmine which, here, just gives the flowery feature to the perfume. It is like to leave the bathing, the body is warmed and those small water drops disappear as woody notes, much more ambery ones heat the fragrance. I fell a musky smell with light touches of amber and, in this moment, I think of those images that, after a bathing in limpid waters, the naked body lays down among leaves and is filled by the breath of the surrounding nature. The woods aroma is not strong, but it has the pact with all this environment that takes and gives heat.


Although I still prefer the traditional version, this fragrance is still a Chanel and, despite of it, it is worth to try if you wish a freshness that does not seem to come from an unexpressive fragrance. Remember that Chanel Chance Eau Fraîche has its strenght and personality in the start of the fragrance where the freshness is plentiful and captivating, however, for a Chanel, Eau Fraîche has the special magie of being a refreshing perfume with a symbol of elegance. It is like to imagine Madam Coco Chanel in French Riviera.


Review by Copyright Cristiane Gonçalves aka Cris Rosa Negra
Photograph of Chanel Chance Eau de Fraîche by Copyright Dâmaris Silva, rights reserved.


Dâmaris Silva is phychologist, University teacher and photographer from Santa Catarina (Brazil) and is colaborator photographer for Perfume da Rosa Negra.


Notas oficiais de Chance Eau Fraîche: citron, water hyacinth, absolute jasmine, white musk, vetiver, amber, patchouli and Teka wood.

4 comentários:

Cybele disse...

Olá,bom dia!

Achei seu blog interessantissimo! Adoro perfumes, e é muito bom saber mais sobre os perfumistas também.

Quem sabe vc possa me ajudar, eu tenho uma amigo, ele tem um perfume que não fala o nome nem sob tortura, ele diz que é um perfume rarissimo, só é fabricado 25 unidades por anos, porque a matéria prima é muito rara, só se encontra na europa (óbvio), ele custa por volta de 7000 dolares, pelo menos quando ele comprou, há varios anos.
O aroma dele, lmbra aquele perfume que tem na loja Any Any, logo que quando vc entra, imaginei que fosse da Vitoria Secretc, mas a namorada dele disse que Vitoria Secret é coisas de reles mortais.
Bem, se puder contar com sua ajuda, ficarei eternamente grata
Obrigada

Cris Rosa Negra disse...

Olá Cibele,

Obrigada pela sua visita. Pra falar a verdade, eu desconheço este perfume, mas irei checar e te informo, só escrever-me para o cris.perfumedarosanegra@gmail.com

Obrigada,

Cris

angela disse...

caramba
a variedade de perfumes é mosntruosa..

"ATCHIM"..


parabens pelo blog.
primeira vez aki
espero voltar mais vezes.sucesso.
abraço e bom fds.
humor, imprestação de desserviço e diver.são coisas que devemos ter como seguimento ideológico.
sendo assim, seja bem vind no:

www.bagageirodocurioso.spaceblog.com.br

Cris Rosa Negra disse...

Olá Angela,

Obrigada pela tua visita e parabéns pelo blog. Volte sempre para dar uma cheiradinha no blog.

Abraço,
Cris